O acorde com 7ª maior e 5ª diminuta

Às vezes nos deparamos com algumas cifras não usuais como o acorde X7M(b5). Se pararmos para analisar esse acorde veremos uma leve contradição, não é erro, mas contradição em termos de escala, já que esse acorde não se encontra em nenhum campo harmônico.

Acredito que a cifra do acorde X7M(b5) é apenas uma opção de sonoridades, ou seja, possibilidades de escalas, ao invés de ser um acorde maior com a quinta diminuta propriamente dito e veremos o motivo neste artigo.

Escalas

Como eu sempre falo, a escolha da escala que você vai improvisar é sua, é algo subjetivo. Porém, na prática, sempre tem aquela que todos usam.

O acorde X7M(b5) pode ter a sua quinta diminuta facilmente ignorada e usar a escala lídio, o que é mais tradicional. O lídio certamente vai funcionar, já que a quinta diminuta não deixa de ser a quarta aumenta, correto? Porém, perderemos o intervalo de quinta diminuta, já que o fá, a quinta justa do acorde, vai estar presente na escala. Transformando, assim, o acorde em X7M(#11). Veja:

Outra possibilidade de escala é o Lídio Aumentado. No caso do acorde em questão, ele perde a quinta justa e ganha a quinta aumentada. Essa é uma boa opção, já que não teremos mais a quinta justa na estrutura da escala. A sonoridade é bem interessante.

Criar uma escala sempre pode cair em uma escala já existente. Se pegarmos o Lídio Aumentado e alterar a segunda, ou seja, aumentar meio tom, teremos uma escala de ré maior harmônica começando pelo Bb que vai gerar um Lídio Aumentado #2 ou #9.

Podemos usar a escala de ré menor harmônico também. O que vai gerar o lídio com a nona aumentada.

Ainda temos uma opção do modo lídio com a nona menor.

Conclusão

Veja quantas opções de sonoridades eu possuo para um simples acorde, não é mesmo? Nosso ouvido demorar a entender e conceber certas sonoridades, mas não devemos descartá-las e, muito menos, ignorar tais sabores. Vai experimentando e, com o tempo, sua experiência irá trazer o bom gosto de usá-las.

Grande Abraço!

30 de novembro de 2017

2 responses on "O acorde com 7ª maior e 5ª diminuta"

  1. Muito obrigado por vocês compartilharem com exemplos da ” sonoridade gestual” de cada escala de maneira criativa!
    A gestualidade sonora,a maneira ” como” soam num contexto criativo entre as escalas estudadas aqui ,se não houvessem esses exemplos não permitiriam ao ouvinte as distintas percepções para cada uma .
    Com exemplos, é possível tirar as conclusões de que, todas são muito semelhantes mas com escritura diferentes…
    Com excessão da última Lídio b2 ou 9b…pra mim a mais interessante,mas ,justamente por causa do exemplo ” audível” da mesma…
    Se eu pudesse sugerir algo,seria a de que a gestualidade a que me referi deveria,ser “”conforme”” o modo também sugere ,ou seja, diferenciando os gestos para “””cada uma “”das escalas para o ouvido não entende- las como ” parecidas” com escritas diferentes apenas ..
    Explico:
    A última gravação: Esse modo b2 ou b9 é tão evidente em sua sonoridade particular ,que o ” “””mesmo gesto”””tocado para todas as outras anteriormente , não interferiu na menor similaridade ou ” certa semelhança” sonora com as demais…
    O mesmo “gesto” sonoro para todas foi realizado para essa também…
    Mas é tão ” diferente” esse modo b2 ou b9 que, para ela funcionou mesmo com as repetições gestuais usadas para as outras …
    É imediata a distinção …(ela em si mesma como ” modo” com ou sem gestos iguais às outras anteriores).
    Fora esse fato,nada mais a dizer a não ser meus sinceros parabéns!!!

    Parabéns a todos .
    ABRAÇO FRATERNO de um músico estudioso também..

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Universidade Michael Machado

Conhecimento Musical Elevado

Para o compositor, arranjador, orquestrador e produtor musical.

top
© Universidade Michael Machado, todos os direitos reservados. CNPJ: 32.844.874/0001-11