Como Improvisar por Acordes

Veja se isso aqui soa familiar pra você:

1 – Decorar o campo harmônico das escalas maior, menor harmônica e melódica;

2 – Fazer a análise harmônica e a escala que você usa não tem relação com a tonalidade do momento;

3 – Quando você toca uma progressão harmônica diatônica você pensa vertical e não horizontal.

Provavelmente você já vivenciou ou está vivenciando um desses pontos citados e a razão para esse problema é que a forma como ensinam improvisação não demonstram a diferença entre a verticalidade para a horizontalidade e o Conceito do Lídio Cromático separa estas duas formas de improvisar, pois são dois contextos que uma música atua.

Você deve estar se perguntando “Mas Michael, eu vi um vídeo seu no youtube e pelo o que entendi O Conceito do Lídio Cromático te ensina a mesma coisa só que com outros nomes”

Será que o Conceito do Lídio Cromático te faz aprender tudo novamente com outros nomes?

Será mesmo?

Vamos parar pra pensar um pouco, a teoria musical tradicional nos oferece a escala maior, certo?

E por qual motivo devemos saber a mesma escala com sete nomes diferentes?

Você já se perguntou isso?

Você já se perguntou por que você decora os sete modos da escala maior + os sete modos da escala menor harmônica + os sete modos da escala menor melódica? Isso sem falar os sete modos da escala maior harmônica e os sete modos da escala menor melódica (#5) que Ron Miller aborda em seu livro. Somando tudo temos trinta e cinco modos com os mesmos acordes (é muito sofrimento).

A maioria mal consegue usar a escala menor melódica e a razão é muito simples, muito nome, muita escala e o principal, muita desorganização.

Quando você decora, você não compreende como a música funciona de forma orgânica e se tem uma coisa que George Russell me ensinou é que você só precisa saber como a gravidade tonal atua.

Russell demonstra que a escala lídia representa a tônica e a escala maior a escala que busca (vai em direção) a sua tônica, simples assim.

Improvisação Horizontal

Vamos pegar a progressão mais famosa da última semana de todos os tempos, o famoso II V I.

Pela teoria musical tradicional temos estes mesmos acordes dentro de C maior, então a função harmônica diz que há uma movimentação harmônica buscando a sua tônica, sendo assim a escala de C maior sobre o II V resolvendo no I representa a horizontalidade.

Veja, é assim que a horizontalidade funciona, uma escala para uma progressão harmônica e nada mais, mas a galera gosta de complicar, ou seja, você já deve ter achado esse tipo de raciocínio para improvisar verticalmente sobre o II V I, certo?

Esse raciocínio é de uma burrice tremenda, pois você está fazendo a mesma escala, mas começando em lugares diferentes. Está aí o motivo que faz você travar na hora de improvisar sobre uma progressão harmônica diatônica, você bota o seu cérebro pra decidir primeiro qual é a escala para depois criar a frase.

Improvisação Vertical com o Conceito do Lídio Cromático

Veja a genialidade do Russell em ação.

No Conceito do Lídio Cromático o acorde está em unidade com a escala lídia, ele é um gênero modal (possui a mesma origem), ou seja, Dm7 e G7 é o mesmo que VI e II de F Lídio, desta forma temos F lídio indo para C Lídio.

Dentro da gravidade tonal vertical de F Lídio temos três escalas que representam o núcleo da consonância e que podemos aplicar sobre qualquer gênero modal de F Lídio: Lídio, Lídio Aumentado e Lídio Diminuto e você está livre para usar estas três escalas sobre Dm7 e G7.

Veja, eu não preciso decorar um monte de campo harmônico para chegar nesse resultado.

O Conceito do Lídio Cromático vai direto ao ponto, sem rodeios. Não vou nem comentar que você, provavelmente, deve estar tentando descobrir a relação escala/acorde do G7.

Acredite, eu sei de cabeça todos os modos, mas apenas o Conceito do Lídio Cromático me faz ter resultados sofisticados na hora, pois está tudo na nossa frente e basta saber a diferença entre a verticalidade e a horizontalidade. Ouça os dois exemplos abaixo e presta atenção na dissonância. Toque a melodia em Eb maior e veja como ela busca o acorde de Eb maior.

F Lídio Cromático
Mi bemol Maior
29 de junho de 2022

1 responses on "Como Improvisar por Acordes"

  1. Esse Eb maior no II V ficou lindo demais! Sensacional a simplicidade que o conceito traz na improvisação.

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado.

top

© Universidade Michael Machado, todos os direitos reservados. CNPJ: 32.844.874/0001-11