Cifragem – Compromisso Com a Simplicidade (Nem Tanto!)

O título desse artigo foi emprestado do livro de harmonia do Ian Guest, uma pequena homenagem para o Titio Húngaro.

Neste artigo será mostrado a velha briga de comadre, teoria X prática. Quando assunto é cifragem, o bicho pega, pois não há padrão. Nós temos diversos tipos de cifragem para um acorde (convém lembrar que a cifra é uma representação do acorde), exemplo:

Acorde Perfeito Maior

Acorde Perfeito Menor

Cifragem 2

Acorde Aumentado e Diminuto

Cifragem 3

O símbolo “°” do diminuto é problemático. A mesma cifragem serve tanto para tríade quanto para tétrade e geralmente o acorde tocado é a tétrade.

Notas de Tensão

Acho que essa é a parte mais complexa do assunto. Vou tentar ser o mais simples e citar todas as fontes de pesquisa.

Aqui no Brasil nós trabalhamos com uma cifragem diferente dos americanos no quesito notas de tensão. Um exemplo é o C7(9) e o C9, diferentes cifras para o mesmo acorde. Um explícita a 7ª, e o outro implícita. Acordes como C9, C11 e C13 são todos dominantes, mas tem algo de diferente neles.

No livro Tonal Harmony de Stefan Kostka diz que

 Assim como terças superpostas produzem tríades e acordes de sétima, a continuação desse processo produz acordes de nona, décima primeira e décima terceira…

Na teoria um acorde com nona (X9) é um acorde de dominante, logo ele deve possuir a 7ª menor. Um acorde com décima primeira (X11) deve possuir a 7ª menor, a 9ª e a 11ª. O acorde de décima terceira (X13) deve possuir a 7ª menor, a 9ª, a 11ª e, por fim, a 13ª.

Notas de tensão

Na prática nada disso acontece. A sonoridade dos acordes X11 e X13 “não soam interessantes“ para certos estilos musicais, ou não é de agrado ao ouvido de alguns músicos.

No livro Twentieth Century Harmony de Vicent Persichetti diz que

Grandes acordes formados por terças, não importa quantas terças foram adicionadas, formam uma pequena porção da paleta harmônica. As várias notas dos acordes de 11ª e 13ª adicionam densidade, mas reduz flexibilidade. A formação de sete e oito notas são complicadas em progressões harmônicas, mas é útil no esquema harmônico geral.

No mundo popular, onde é trabalhado o tonalismo boa parte do tempo, o acorde tende a soar modal. É por isso que existe a nota evitada (são todas as notas características dos modos com algumas exceções). Um acorde C7M(11) soa modal, então remova a 11ª. Ainda existe o problema “dedos”, o violonista só possui quatro dedos e seu instrumento seis cordas.

Outro fator, e o principal, é a dissonância criada com a 3ª do acorde.

c11 sem terça

No acorde de 13ª a ideia é a mesma, tira-se a 9ª(opcional) e a 11ª .

Entretanto, poucos livros falam do acorde X7M(13). Sim, ele existe e não podemos ignorar. Mas qual é a diferença do X7M(6) para o X7M(13)? Simples, o intervalo.

dós

C7M(6)

C7M(13)

C7M(9/13)

Fiz uma rearmonização da canção folclórica Boi da Cara Preta usando X7M(13) e X11 como exemplo.

Boi da cara preta

Um acorde X7(6) pode não soar agradável para alguns, pois rola um semitom com a 7ª menor e a 6ª.

g7

G7(6)

G13

Existe a corrente dos teóricos que dizem que para se ter um acorde com 13ª sem a 9ª e a 11ª, a cifra seria G7(6). Pois a 13ª implica na utilização de todas as notas de tensão, já que ela é a última disponível. Nesse caso o acorde seria como do G13 (do exemplo acima), mas cifrado com G7(6).

Conclusão

 Não podemos negar que tudo na vida passa por um processo de evolução e a harmonia também está passando (ou já passou?) por processos de evolução. O que era tonal passou a ser tonal/modal. Cifrar um acorde MODAL no sistema TONAL pode gerar um certo choque, pois ainda é algo “novo”. O maior exemplo é um acorde X7M(11). Dentro da cifragem tradicional esse cidadão não aparece, mas modalmente ele existe.

A harmonia hoje é meio que híbrida, pois há diversas sonoridades (tonal, modal e até atonal) acontecendo ao mesmo tempo. É nessa mistura que novas cifras surgem, uma nova maneira que o compositor (músico, arranjador, produtor…) achou para cifrar o acorde.

Gostou? Comente!

Tem dúvidas? Pergunte

Até a próxima!

4 de abril de 2014

3 Respostas em "Cifragem - Compromisso Com a Simplicidade (Nem Tanto!)"

  1. Só agradecimento pela tua dedicação, obrigado

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Universidade Michael Machado, todos os direitos reservados. CNPJ: 32.844.874/0001-11
X