Compressão Paralela

Vou falar um pouco sobre a compressão paralela e como ela dá um gás na bateria. Apesar de ter um bando de material sobre isso na internet, eu vou mostrar como eu geralmente faço.

A compressão paralela serve para qualquer instrumento, mas a bateria é sempre a mais usada.

A ideia da compressão paralela é juntar o áudio da bateria + o áudio da bateria comprimido ao extremo. Parece complicado, mas não é. Bom, vamos por partes.

1. Como de praxe, crie o grupo da bateria e jogue todas as peças para esse grupo (organização é tudo).

Mixer

2. Crie um outro grupo (eu escolhi Bateria Comp) e jogue o áudio do grupo da bateria para esse novo grupo.

Há três maneiras de se fazer isso, são elas:

 

1. Na saída do grupo principal;

2. No send do grupo principal;

3. No send de cada peça.

 

Existe algo chamado pré-fader e pós-fader. A diferença é muito simples, o pré você controla os dois sinais ao mesmo tempo (sinal de áudio e sinal de efeito).

Já no pós-fader, apenas o sinal de áudio será mexido.

No meu caso, eu faço assim:

Deixo a saída do grupo da bateria para o master e no send eu faço a mandada para o grupo com compressão. Faço isso por um simples motivo, ter dois canais independentes.

Aqui está a bateria sem compressão paralela

Mix completa

Com compressão paralela

Mix completa

Gostou? Comente!

Tem dúvidas? Pergunte

Até a próxima!

31 de janeiro de 2014

0 Respostas em "Compressão Paralela"

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Universidade Michael Machado

Conhecimento Musical Elevado

Para o compositor, arranjador, orquestrador e produtor musical.

top
© Universidade Michael Machado, todos os direitos reservados. CNPJ: 32.844.874/0001-11
X